Resenha #528: Renegados - Marissa Meyer (Rocco Jovens Leitores)

Share:
Título: Renegados
Título Original: Renegades
Autor: Marissa Meyer
Série: Renegades #1
Páginas: 512
Ano: 2020
Editora: Rocco Jovens Leitores
Sinopse: Identidades secretas. Poderes extraordinários. Ele quer justiça. Ela quer vingança.
Os Renegados são um grupo de prodígios – humanos com habilidades extraordinárias – que emergiram das ruínas de uma sociedade em colapso. Foram eles que estabeleceram a paz onde, antes, o caos reinava. Desde então, os Renegados se tornaram um símbolo de esperança e coragem para todos... exceto para os Anarquistas, vilões que também têm superpoderes, mas foram derrotados. Nova é uma Anarquista e tem um motivo para odiar os Renegados: ela está em uma missão em busca de vingança.
Enquanto se aproxima de seu alvo, ela conhece Adrian, um garoto Renegado que acredita na justiça... e em Nova. Ela, no entanto, é leal a um vilão que tem o poder de acabar com eles dois.
Renegados é a nova história de Marissa Meyer, autora bestseller #1 do The New York Times da série Crônicas Lunares, que explora um mundo arriscado de aventura, paixão, perigos e traições.
VALENTIA. CORAGEM. SENSO DE JUSTIÇA. Você tem o que é preciso para ser um herói?


Éramos todos vilões no começo.

Apresentando um mundo totalmente diferente dos outros aos quais já tinha se aventurado, Marissa Meyer retorna à literatura com Renegados, primeiro volume de uma trilogia que garante cenas eletrizantes e reviravoltas inesperadas do começo ao fim.

Numa linha parecida com X-Men, certo dia pessoas com dons sobrenaturais aparecem. Intitulados como prodígios, essas pessoas são hostilizadas pelos humanos normais e essa guerra ideológica se mantém até que um prodígio intitulado como Ace Anarquia toma a frente em uma batalha e resolve defender os seus. Mas a realidade implantada por ele foge ao controle e o mundo se torna um lugar de ninguém, onde a lei é feita nas ruas por qualquer pessoa.

Em vista disso, um novo grupo de prodígios, intitulando-se como Renegados, surgem para combater os Anarquistas (o grupo criado por Ace). Em um embate fervoroso, os Anarquistas caem a estrutura da sociedade começa a se erguer, mas um custo gigantesco. As pessoas que antes eram temidas, tornam-se ícones de devoção.

Quem não tem medo não pode ser corajoso.

É nesse cenário futurístico que acompanharemos a narrativa sob o ponto de vista de dois diferentes personagens. Por lado acompanhamos a triste realidade de Nova, que há muito tempo já torceu pelos Renegados. Tendo visto sua família massacrada em frente aos seus olhos, seu único objetivo atual e matar e destruir todos que se intitulam como “heróis”. E para isso, ela se unirá aos Anarquistas e tomará as decisões necessárias para conquistar essa vingança.

Por outro lado temos Adrian, um jovem Renegado em que poucos acreditam. Seu poder pode não parecer o mais forte e nem o mais atrativo, mas ainda sim ele sabe se defender e ser criativo quando quer. Com motivações pessoais, tudo o que ele mais quer é preencher as lacunas de seu passado e encontrar o assassino de sua mãe.

Em uma empreitada inesperada, Nova e Adrian acabam se encontrando; ela querendo destruir tudo o que ele mais ama, e ele tentando proteger com todas as suas forças. E esse conflito ideológico pode dar luz a velha fagulha de uma guerra que segue inacabada desde a inesquecível batalha entre Renegados e Anarquistas.

Você tem o que é preciso para ser herói?


Eu não tenho nem palavras para descrever o quão genial Marissa Meyer consegue ser em confrontar duas ideologias tão distintas e ainda sim fazer o leitor não saber para qual torcer. Narrado sob dois povs diferente, seguindo Nova e Adrian, sua escrita fluída e os capítulos eletrizantes fazem com que você devore mais e mais páginas em busca de conseguir respostas paras todas as perguntas que são elencadas. E esse talvez seja o fato que mais amei na leitura: pegar esse bonde sendo tocado ao invés de uma longa introdução. Meyer não perde tempo tentando criar uma contextualização sobre seu mundo ou como essas pessoas possuem poderes. Ela insere o cenário e aos poucos, no decorrer da obra, vai lançando fragmentos de respostas para que você consiga se conectar com a trama com mais completude.

- Mas nós dois sabemos que o mundo ficaria melhor sem heróis. Sem vilões. Sem nenhum de nós atrapalhando as pessoas normais e felizes nas suas vidas normais e felizes. 

Além disso, é inegável sua maravilhosa habilidade na hora de construir personagens. Não tem um só instante que no qual eu não tenha me afeiçoado, mesmo que o personagem fosse o mais secundário possível. Em meio a diversos momentos de ação, a autora consegue executar com maestria as linhas que vão tecer cada relação dentro da obra, seja entre os protagonistas, seja entre os personagens mais afastados. Devo ressaltar que esse fato me fez simpatizar e gostar bem mais dos personagens secundários do que dos próprios protagonistas com os quais estavam bem mais perto a cada minuto da leitura.

Todas as revoluções vêm com morte. Alguns precisam morrer para que outros tenham vida. É uma tragédia, mas também é a verdade.

Ruby e Oscar definitivamente são meus favoritos. Gostei não só de sua relação, mas pelo fato deles inserirem um elemento mais cômico na narrativa, o que tornava suas participações muito gostosas de ler. E inclusive espero mais deles no próximo volume. Mas não devo esquecer de citar o Anarquista, Titereiro. Ele aparece de forma bem esporádica e ainda sim, Meyer consegue a genialidade de arrancar nossa empatia. Mas não tome isso como uma ideia de que os protagonistas não são interessantes; pelo contrário, eles são sim.

Nova é muito determinada e mesmo possuindo habilidades, seu maior poder é a facilidade e genialidade em arquitetar planos que vão chocar você ao se realizarem completamente. O contraste com Adrian, dessa maneira, é gritante. Fica muito claro que ambos possuem uma linha de pensamento diferente, quase opostas. Ainda assim, o menino não é o “herói” justo da forma como os Renegados se pintam. E essas suas nuances são o fator que mais fez com que eu me simpatizasse por suas empreitadas. Fora o fato, claro, de temos um negro protagonizando uma ficção científica.

Marissa não prioriza um romance entre Nova e Adrian. Embora exista, claro, em um segundo plano bem pouco apontando fora de cenas especificas. É muito mais interessante estar envolvido nessa briga política e ideológica, onde uma testa a verdade do outro.

Representatividade, na realidade, é um fator que não faltará nessas páginas e de maneira muito responsável por sinal. Marissa Meyer cria um leque de personagens, cada um com suas escolhas e personalidades distintas que totalizam um mundo muito interessante. E eu amei isso.

Os únicos fatores que me fizeram pesar um pouco a pontuação final foram os dois capítulos antes do desfecho, onde a autora deu uma centralizada na relação de Nova e Adrian, estendendo muito, e a tradução. É particularmente problemático você ler uma HQ onde os nomes próprios dos heróis são traduzidos ao pé da letra. Além de retirar um pouco do contexto, eles também perdem o peso. No caso de um livro, isso conta muito mais.

Gosto muito das edições da editora Rocco, mas no quesito tradução nessa obra em questão, eu tive dificuldade de digerir. Alguns “heróis” e “vilões” acabam ganhando um título tosco, ou perdem totalmente a intimidação que sua personalidade poderia apresentar. Como eu poderia temer alguém que se intitula como “Pega”, “Geladura”? Esse inclusive é o ponto que mais me chateou ao longo da leitura. Espero realmente que os próximos volumes tragam um cuidado maior, não só no quesito dos nomes, mas também pelo uso de pronomes que em alguns parágrafos repetem varias e várias vezes e empobrece a escrita.

Mas não se deixe amedrontar, é um livro maravilhoso que abre espaço para um discussão muito bem vinda atualmente. Até onde democracia e liberdade podem ser apenas isso? Qual é a linha que as separa da tirania? Essas e muitas outras contradições são o ápice da obra. E se não pelo questionamento, sim pelos personagens, ricos e diversos que fazem de cada momento um melhor do que o outro.

A esperança se chamava Renegados.


Resenha feita por Emerson Andrade (@umnerdleitor)

10 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Luiza e Emerson.
    Eu vi esse livro sendo bem falado no instagram mas nem tinha me tocado para o nome da autora. Achei o enredo muito interessante e gosto disso de seguir essa linha x-mem que sou muito fã. Assim que der vou comprar.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Eu DIGO MARISSA FAZ TUDO MESMO. E EU EXPONHO PQ TO AQUI PRA PANFLETAR
    Esse livro já merece um mundo so pelo protagonista negro. Amo sim ou claro? Mas toda a construção que ela faz, as reviravoltas, PQP, EU TO SEDENTO PELO SEGUNDO.

    Abraços
    Emerson
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Lu

    Bom, sabe como é, né? Talvez, quem sabe, vamos ver... se eu gostar de Cinder as perspectivas serão outras, mesmo se a escrita for boa posso até ler mesmo não gostando do gênero. Bacana que dá pra fazer um paralelo com a realidade.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Lu e Emerson,
    Eu quero muito ler esse livro, já li Cinder da Marissa e amei, então minhas expectativas estão bem altas. Essa é a primeira resenha que leio sobre Renegados e é muito bom saber que te agradou tanto.
    Bjssss


    Helo
    https://pensamentossoavento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oiii Lu

    Eu gosto demais da escrita da Marissa Meyer e essa trilogia está na minha lista há tempos. Tive uma decepção tremenda lendo Heartless e até por isso acabei atrasando conferir Renegados, mas agora que está publicado em português pretendo ler em breve com certeza.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, Lu! Tudo bom?
    Eu amo esse universo de Renegados tanto quanto o de Crônicas Lunares porque é tudo MUITO GENIAL E BEM ENCAIXADINHO AJKASBUOGABASGUOBASGUO eu amo os personagens e as tramas e as reviravoltas e aquele finaaaaaaaal
    Tenho os outros dois aqui mas ainda não li por falta de vergonha na cara mesmo.
    Saudades desse universo <3

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  8. Estou amando ler seus posts... vou até salvar em favoritos!


    Meu Blog: Samara Silva

    ResponderExcluir
  9. Olá...
    Estou louca pra ler esse livro, um monte de leitor já me indicou e espero poder fazer isso em breve!
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e volte sempre!
Deixe seu comentário/opinião; estou muito interessada e ele será respondido assim que possível.
Deixe também seu blog, se tiver, que assim possível farei uma visita :)