Resenha #516: If We Were Villains - M.L. Rio (Flatiron Books)

Share:
Título: If We Were Villains
Título Original: ---
Autor: M.L. Rio
Série: ---
Páginas: 352
Ano: 2017
Editora: Flatiron Books
Sinopse*: Entrem os atores. Havia sete de nós, sete jovens brilhantes e com um futuro precioso e amplo pela frente. Até aquele ano, não vimos mais do que os livros diante de nossos rostos.
No dia em que Oliver Marks é libertado da prisão, o homem que o colocou lá está esperando na porta. O detetive Colborne quer saber a verdade e, depois de dez anos, Oliver está finalmente pronto para contar.
Há dez anos: Oliver é um dos sete jovens atores shakespearianos do Dellecher Classical Conservatory, um local de grande ambição e competição acirrada. Neste mundo isolado de luz do fogo e livros encadernados em couro, Oliver e seus amigos desempenham os mesmos papéis no palco e fora dele: herói, vilão, tirano, sedutora, ingénue, extra. Mas no quarto e último ano, o equilíbrio de poder começa a mudar, as rivalidades de bom humor tornam-se feias e, na noite de abertura, a violência real invade o mundo dos alunos que fazem crer. De manhã, o quarto ano se vê enfrentando sua própria tragédia e seu maior desafio de atuação: convencer a polícia, um ao outro e a si mesmo de que são inocentes.
Parte da história de crescimento, parte da confissão, If We Were Villains explora a fronteira mágica e perigosa entre arte e vida. Neste conto de lealdade e traição, loucura e êxtase, os jogadores devem escolher quais papéis desempenhar antes que a cortina se feche.


Na minha vontade de diversificar gêneros, nem sei como cheguei nesse livro. E ao final da leitura tive sentimentos bem conflituosos sobre tudo o que se passou.

If We Were Villains me lembrou muito um livro que li há 84 anos: A História Secreta, da Donna Tart. Muita gente também diz que tem vibes de How To Get Away With Murder, o que também é verdade. Temos um grupo de estudantes de repente envolvidos em um assassinato. Fica aí questionamentos: quem matou?, por que matou?, e por aí vai...

A história narrada em primeira pessoa por Oliver, que te mergulha no dia-a-dia de uma prestigiada faculdade de teatro que praticamente vive para exaltar as obras de Shakespeare. Oliver e seus seis amigos estão no último ano de estudo e praticamente cada um sempre viveu os mesmos tipos de personagens. Quando essa rotina é quebrada, toda a convivência no grupo também é afetada.

A narração de Oliver é interessante por um lado, mas negativa por outro. Interessante já que ele foi o condenado pelo crime, mas negativo porque ficamos presos somente à sua visão de tudo que acontecia entre seus amigos e no conservatório. Podemos dizer que Oliver não é a pessoa mais perspicaz do grupo, por muitas vezes sendo considerado um tanto inocente em suas considerações.

Acompanhando Oliver no seu último ano, temos James (o herói), Meredith (femme fatale), Wren (a inocente), Alexander (uma espécie de alívio cômico feat tirano), Fillipa (coadjuvante) e Richard (o vilão). Pela visão de Oliver, podemos ver bem nitidamente essas designações em cada personagem, mas o assassinato de um deles começa a afetar cada um de uma forma diferente.


A questão do mistério de quem matou foi o que me fez continuar o livro. Tudo bem que a decisão dos que os outros seis sobreviventes tomaram na noite do crime não permitiu tanta exploração do acontecido, combinado isso com a narração em primeira pessoa. Porém, a autora focou demais em narrar no dia-a-dia curricular do grupo e isso me desanimou um pouco.

Confesso que não sou muito fã da leitura de peças de teatros e nunca li nada de Shakespeare, então os momentos que os personagens estavam ensaiando/apresentando e declamando pedaços de suas obras também não foi muito do meu agrado. Entretanto gostei de como a autora soube encaixar obras cheias de angústias, traições, sofrimentos do autor, como Rei Lear e Hamlet, na vida do grupo, principalmente após o crime.

O início do livro é um tanto morno, te familiarizando com os personagens e o seu "papel" no grupo. Logo, eu senti que ele deu uma acelerada no ritmo com algumas situações, que levaram à noite de toda essa situação. Quando achei que depois disso iria ficar melhor, ele cai no mesmo ritmo do início do livro até mais ou menos os capítulos finais quando tudo se revela.

Confesso que já suspeitava de alguns detalhes do que havia acontecido na noite da morte, mas a participação de uma outra pessoa me foi uma surpresa. O que não me convenceu foi o motivo por Oliver ter aceitado a culpa pelo ocorrido. Foi um detalhe que se a autora tivesse trabalhado melhor durante a história teria sido bem mais crível. Eu aceitaria até se fosse em nome de uma grande amizade.

No geral, If We Were Villains foi um livro que prometeu muito e não cumpriu minhas expectativas. Mas fica aí a dica para quem queira ler algo parecido com How To Get Away With Murder com uma pitada da tragédia e drama de Shakespeare.

* Sinopse traduzida por mim

9 comentários:

  1. Eu tenho o mesmo problema. Gosto de ler gêneros diferentes de vez em quando pra evitar não achar estranho a história ou interpretar mal etc. Mas as vezes a história mesmo assim acaba não fluindo e eu me decepcionando.

    Beijos

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lu!
    Eu fiquei bem animada com a sinopse! Gosto desse negócio de "quem matou", mas livros assim precisam ser muito bem trabalhados, né?! Eu gosto de ser surpreendida, de tentar decifrar as coisas e não conseguir. Que pena ter essa oscilação de ritmo...

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  3. Olá, Luiza.
    Não sei se me interessei pelo livro. Eu gosto desse estilo, até a série citada é uma das minhas favoritas, mas acho que se fosse ler seria só pela curiosidade mesmo de saber o porque dele ter assumido a culpa hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi, fiquei interessada parece ser bom.

    Segredosdamarii.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Lu, eu curti pra caramba a capa, mas não sei se a leitura iria fluir no meu caso, eu até assisti a série que vc citou e foi muito bem no início, depois ficou chato!
    Pelo que li da sua resenha, o livro ficaria muito mais interessante com narrativas alternadas, senão em 3° pessoa não é?!

    Beijos Mila

    Daily of Books Mila

    ResponderExcluir
  6. Olá Lu,
    Nunca tinha escutado sobre esse livro, parece bem interessante, gosto dessa vibe meio How To Get Away. Fico triste pelo livro não ter cumprido suas expectativas.
    Bjssss


    Helo
    https://pensamentossoavento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi
    parece ser uma leitura interessante, mas nem chamou minha atenção, parece ser uma leitura enrolada e uma pena que não cumpriu com suas expectativas, mas pelo menos não foi ruim e você gostou.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Ai miga, já achei essa capa péssima com P maiúsculo e ainda por cima fala de teatro, coisa que eu acho batido e sem graça deveras kkkkkkk não leria definitivamente, mas talvez a obra agrade alguém pelos motivos que não te agradaram.
    Beijo
    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Não temos muito tempo para ler infelizmente, mas parece ser um ótimo livro
    Beijinhos 😊 , Damsel.me-Clique Aqui

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e volte sempre!
Deixe seu comentário/opinião; estou muito interessada e ele será respondido assim que possível.
Deixe também seu blog, se tiver, que assim possível farei uma visita :)