Resenha #511: Wicked Saints - Emily A. Duncan (Wednesday Books)

Share:
Título: Wicked Saints
Título Original: ---
Autor: Emily A. Duncan
Série: Something Dark and Holy #1
Páginas: 385
Ano: 2019
Editora: Wednesday Books
Sinopse*: Uma garota que pode falar com deuses deve salvar seu povo sem se destruir.
Um príncipe em perigo deve decidir em quem confiar.
Um garoto com um segredo monstruoso espera nas asas.
Juntos, eles devem assassinar o rei e parar a guerra.
Em uma guerra de séculos, onde beleza e brutalidade se encontram, seus três caminhos se entrelaçam em um mundo sombrio de sangue derramado e misteriosos santos, onde um romance proibido ameaça derrubar a balança entre a escuridão e a luz. Wicked Saints é o início emocionante da devastadora Something Dark e Holy trilogy de Emily A. Duncan.



Da primeira vez que ouvi falar de Wicked Saints, não fiquei muito interessada na sua leitura. Porém, depois de muito ter visto algumas fanarts, fui rendida e decidi me arriscar. Muito vi comentários dizendo essa série lembra a trilogia Grisha, mas acho isso bem equivocado. Tirando a questão de ambas as histórias terem como base elementos da cultura russa, não há nada de muito em comum.

A história foca ao redor de três personagens: Nadezhda "Nadya" Lapteva, Malachiasz Czechowicz, Serefin Meleski; uma clériga, um desertor, um príncipe. Os três têm seus caminhos cruzados no meio de uma guerra entre dois países que já dura quase um século. Nadya é de um país que ainda adoram deuses e nasceu com a habilidade de falar e ser condutor do poder de vários deuses. Malachiasz e Serefin são originários de Tranavia, um país que utiliza de sangue e sacrifícios para alimentar sua magia.

O universo criado pela autora até que é interessante, porém pecou no desenvolvimento. Sabemos que há uma guerra rolando a séculos entre as duas nações, cada um com sua visão do país inimigo: o povo de Kalyazi crê Tranavians são hereges por darem as costas aos deuses, Tranavia crê que o povo de Kalyazi não precisa mais se curvar aos deuses. Nessa questão de religião, a autora soube até explicar e soltar informações, porém deixou a desejar no quesito sobre a política e governo de cada reino.


A narração é feita em terceira pessoa, com capítulos alternando entre Serefin e Nadya. Confesso que não sei bem o que pensar de Nadya, além do fato dela ser fácil de manipular e um pouco intransigente. Isso se deve ao fato de dividir os holofotes com Malachiasz, um personagem beeem mais interessante. O personagem tem aquele ar misterioso e sombrio que tanto amamos, fora uma mente bastante astuta e calculista. E esse combo o torna muito mais interessante que a mente fechada de Nadya. Os dois têm conversas e discussões interessantes sobre questões de religião e heresia.

Já Serefin é o meu tipo de personagem. Um príncipe que se preocupa com seu reino, mas que tem seus próprios conflitos internos. Um soldado que segue ordens, mas também as questiona... Nem preciso dizer de seu humor ácido e autodepreciativo que geram as melhores interações. Dos três personagens, creio que ele é o que tenha um maior potencial para desenvolvimento no próximo livro.

Wicked Saints tem um começo meio lento, o meio do livro bastante envolvente, mas peca na sua transição para o conflito final. Entre um capítulo e outro senti que faltou algo ali, como alguém tivesse arrancando algumas páginas que ajudariam nessa passagem. O conflito final também teve uma descrição confusa, porém deixou várias pontas interessantes para a continuação.

Resumindo, Wicked Saints é um início confuso, mas com personagens cativantes e com um final interessante o suficiente para me fazer prosseguir na trilogia, com Ruthless Gods.

*Sinopse traduzida por mim

10 comentários:

  1. Oi Lu! Que pena o primeiro livro não ter sido tão empolgante, tomara que o próximo volume traga algo mais bem desenvolvido. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lu

    Meu cérebro bugou só de ler os nomes desses personagens! hahahahhhahahahah
    Espero que o próximo seja mais redondinho que esse. ;)

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Lu!
    Também gostei do Serefin, pela descrição que fez dele. Parece um personagens com camadas, o que é sempre mais interessante.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  4. Oi, Lu! Tudo bom?
    Por tudo que tu comentou, acho que se eu for sem muita expectativa vai ser uma leitura legal. Não parece nada WOW realmente, mas se divertir tá bom! E o príncipe: já quero amar.

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi, lu!
    Poxa que pena, que o próximo se surpreenda haha beijos

    Segredosdamarii.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi
    uma pena que a autora não soube desenvolver a história desse primeiro livro o que acabou tornando a história um pouco confusa, quem sabe no proximo o desenvolvimento melhora.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Apesar desse confuso parece uma leitura cativante mesmo, gostei da resenha e dessa capa do livro. Achei a capa maravilhosa.
    Beijocas.


    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá, Luiza.
    Então não achei a premissa do livro tão interessante assim e nem senti muita empolgação da sua parte com a história. Por isso por enquanto vou passar a leitura. Mas vou aguardar a resenha do segundo porque quem sabe né hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Eu curto bastante esse tipo de história, acho que vou procurar para ler. Obrigada pela dica.

    Beijão!
    Lumusiando

    ResponderExcluir
  10. Olá Luiza,

    Não conhecia o livro a sinopse é meio rasa e as ressalvas da sua resenha não animaram muito, mas aguardarei a resenha do próximo livro para analisar melhor.


    Beijos.


    https://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e volte sempre!
Deixe seu comentário/opinião; estou muito interessada e ele será respondido assim que possível.
Deixe também seu blog, se tiver, que assim possível farei uma visita :)