Resenha #455: The Queen Of Nothing - Holly Black (Little, Brown Books for Young Readers)

Título: The Queen of Nothing
Título Original: ---
Autor: Holly Black
Série: The Folk of the Air #3
Páginas: 300
Ano: 2019
Editora: Little, Brown Books for Young Readers
Sinopse*: Ele será a destruição da coroa e a ruína do trono.
É muito mais fácil adquirir poder do que se apegar. Jude aprendeu essa lição quando ela liberou seu controle sobre o rei perverso Cardan, em troca de um poder incomensurável.
Agora, como a rainha mortal exilada das fadas, Jude está impotente e se recupera da traição de Cardan. Ela espera seu tempo determinado a recuperar tudo o que ele tirou dela. A oportunidade chega na forma de sua irmã gêmea enganosa, Taryn, cuja vida mortal está em perigo.
Jude deve arriscar se aventurar de volta à traiçoeira Corte Feérica, e enfrentar seus sentimentos por Cardan, se ela quiser salvar sua irmã. Mas Elfhame não é como ela deixou. A guerra está se formando. Enquanto Jude entra profundamente nas linhas inimigas, ela fica presa na sangrenta política do conflito.
E, quando uma maldição adormecida e poderosa é desencadeada, o pânico se espalha por toda a terra, forçando-a a escolher entre sua ambição e sua humanidade...



ATENÇÃO! Se você não leu os livros e/ou resenhas anteriores, pode conter spoiler

Eis que The Queen of Nothing era um dos lançamentos mais esperados desse ano. A conclusão da história de Jude Duarte gerou muitas expectativas, porém nem todas elas foram cumpridas. Não chega a ser nível Darkdawn de decepção, porém foi um tanto decepcionante sim. Já aviso que a resenha pode conter vários spoilers, então continue a ler por sua conta.

Um ponto positivo nessa trilogia é a escrita da Holly Black. A autora tem uma escrita envolvente, fazendo com que você não queria soltar o livro de modo algum. Ela também utiliza de certos ganchos ao final dos capítulos, suficientes para deixar na ansiedade do que vai acontecer. Li esse livro em menos de dois dias e isso se deve ao fato de realmente não ver as páginas passarem e a expectativa do que poderia acontecer.

Jude também é uma ótima narradora. Apesar de sentir falta sim de alguns pontos do Cardan desde o livro passado, a narração de Jude te faz sentir dentro de Elfhame e vivenciando todo o clima hostil que se instalou no reino feérico. Por ser uma mortal no reino de criaturas vis, você consegue sentir todo seu medo e desconfiança através das palavras.

Infelizmente, esse terceiro livro não foi do modo que imaginei. Desde O Príncipe Cruel é perceptível que o foco da história é toda a politicagem e conspirações na corte feérica. Entretanto, ao final de The Wicked King, fica a promessa de vingança da parte de Jude e uns embates mais calorosos de corpo-a-corpo. Bom… tudo ficou somente na promessa mesmo porque, mesmo que tenha havido algumas batalhas, boa parte das tretas iniciadas no livro anterior foram resolvidas na base da conversa. Como eu falei, tudo bem que o livro foca mais na questão política e conspirações, mas para o que foi prometido ao final do segundo livro, esse detalhe deixou muito a desejar.

O livro é dividido em duas partes. A primeira parte te dá uma expectativa do que pode acontecer com Jude ao voltar ao mundo feérico e se vingar de tudo e todos que já entraram em seu caminho. A última frase do último capítulo dessa parte é de deixar as expectativas lá no alto. Infelizmente na segunda parte (principalmente a partir do capítulo 21) tudo vai ladeira abaixo. Além de continuar acontecendo vários nadas, Jude se transforma em uma soberana um tanto insegura e se vendo dependente de ter Cardan ao seu lado para poder ter o respeito do povo feérico. Decepção que se chama sim.


Já falando de Jude e Cardan, um detalhe que não engulo de forma alguma é o repentino amor dos dois, principalmente da parte de Jude. Como Cardan não teve uma narração, não podemos dizer se o sentimento é verdadeiro; já da parte de Jude, tudo ficou muito “vozes da minha cabeça”. Desde o primeiro livro, vemos como a personagem sente medo e odeia o príncipe, o quanto ele humilhava e maltratava a garota. Apesar de se sentir atraída por ele, Jude sempre focava no fato de como Cardan representava tudo que a aterrorizava nos feéricos.

Não julgaria o casal se tudo se resumisse a tesão. Atração sexual pela pessoa odiada eu entendo, pois ninguém manda nos hormônios. Mas do nada surgir um amor, aí já é demais. O ódio que Jude sentia por Cardan não era o típico do amor disfarçado; era um ódio real oficial e um terror que muito dificilmente poderia se transformar no sentimento chamado amor. Mas aí só umas palavrinhas bonitinhas, uma ajuda aqui e outra ali e de repente Jude se torna mais uma entre as milhares de mocinhas apaixonadas e que se tornam lamuriosas por conta do seu boy. Um roteiro diretamente vindo da sala de roteiristas da CW.

Outro detalhe decepcionante foi a relação de Jude com Taryn. Desde o primeiro livro, vemos como as duas machucam uma a outra, principalmente da parte de Taryn e o quanto ela já traiu Jude várias e várias vezes. Entendo o fato delas serem irmãs e uma compreender o que a outra passou pode levar ao fator perdão, mas ficou tudo por isso mesmo. Não rolou uma lavagem de roupa suja, uma conversa realmente séria onde as duas abrem o coração uma para outra. Simplesmente uma hora a Jude estava puta da vida com a irmã e na outra estavam amiguinhas.

De resto, bem… Vários plots foram inseridos; uns que poderiam ter tido maior desenvolvimento, outros bem wtf e totalmente sem sentido, e mais alguns outros que foram completamente jogados e esquecidos ao longo do livro. Um plot que ela poderia ter abordado bastante foi a morte de um personagem super importante, mas que só foi citada. Por ser um personagem que dava o que falar na história, achei bem simplório esse destino.

Quanto ao final do livro, bem… realmente não foi o que pensei que seria. Mais um vez escrito diretamente da sala de roteiristas da CW, todo mundo praticamente viveu feliz para sempre e os “malvados” tiveram seus “castigos”. O real sentimento desse livro foi o mesmo que tive com a última temporada de Game of Thrones: expectativas foram criadas, mas não foram alcançadas.

Assim como falei na resenha de Darkdawn, eu poderia muito bem passar pano para a autora nesse livro justamente por ter adorado o modo como ela desenvolveu a história até aqui, mas isso não seria verdadeiro nem com vocês e nem comigo. Apesar dos pesares, também indico a trilogia justamente pelo modo como a Holly Black trabalhou os feéricos, em sua forma mais verdadeira e cruel.

Resenhas anteriores
Livro 1 - The Cruel Prince (O Príncipe Cruel)
Livro 1.5 - The Lost Sisters
Livro 2 - The Wicked King

* Tradução feita por mim

12 Comentários

  1. Holly Black é demais, queria ter todos os livros dela.
    Beijinhos ;*

    Blog Menina Caprichosa | Canal Youtube | Facebook | Insta

    ResponderExcluir
  2. Adorei sua resenha, Lu. Nunca li nenhum livro dessa autora, uma pena esse não ter sido da forma que você imaginou! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  3. Oi
    uma pena que acabou se decepcionando um pouco com a história por não ser o que esperava, pelo menos teve pontos que curtiu, não sei se leria esses livros. Gostei da sua resenha.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Lu, eu não acompanho a série, mas a autora super elogiada, que pena que rolou umas decepções....

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oi Lu!
    Aff eu fiqueu com muito pe atras depois dos teus comentarios. To tentando conter a expectativa pra nao ir com tanta sede ao pote. So quero o quengaral pegando fogo KKKKKK somente!
    Holly foi uma baita surpresa esse ano. Tanto que ano q vem vou tentar da uma chance pra serie do Magisterium de novo e le o 2.

    Abraços
    Emerson
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá! Gostei muito da sua resenha e fico feliz com a sua sinceridade no que fala aqui.
    Amei.
    Beijocas.

    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Apesar de o livro não ter cumprido suas expectativas, ele é apenas um dos livros da série, então, talvez a série em si valha a pena, principalmente por que como vc disse, a escrita da autora é muito boa.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  8. Oi, eu não li nenhum dos livros da série e no momento não tenho muito interesse em ler, uma pena que se decepcionou um pouco com esse terceiro livro. :(

    Beijos
    www.paginadaleitura.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Lu! Eu até desanimei com a série, comprei faz pouco tempo o volume um e depois de saber sobre o desfecho, diminuiu a vontade de ler. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  10. Gostei bastante do artigo de hoje, sempre estou aqui acompanhando seu blog. Tenho aprendido muitas coisas legais aqui e te agradeço por compartilhar...

    Beijos 😘.

    Meu Blog: Samara Silva

    ResponderExcluir
  11. Não vou ler a resenha porque ainda preciso ler o segundo livro da série haha.

    Beijos

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  12. Acabei de pegar The Queen of Nothing para ler já com as expectativas bem baixas por causa de The Wicked King, depois de sua resenha minhas expectativas continuaram na mesma. Sei que se tratando da Holly vai ser pelo menos "bom", espero. Mas pelo menos uma coisa eu gostei nessa série é que a autora usou muito do folclore escocês no universo feérico que é apresentado. Enfim, só pelo fato da Jude não ter quebrado a cara de gabiru da Taryn o livro já começa com -1 estrelas. =)

    thicoss.blogspot.com

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e volte sempre!
Deixe seu comentário/opinião; estou muito interessada e ele será respondido assim que possível.
Deixe também seu blog, se tiver, que assim possível farei uma visita :)