Resenha #221: Nevernight - Jay Kristoff (Thomas Dunne Books)

Share:
Título: Nevernight
Título Original: ---
Autor: Jay Kristoff
Série: The Nevernight Chronicle #1
Páginas: 429 (BR: 608)
Ano: 2016 (BR: 2017)
Editora: Thomas Dunne Books (BR: Plataforma21)
Sinopse: Mia Corvere mal conseguiu escapar com vida da rebelião fracassada de seu pai. Sozinha e sem amigos, ela se esconde nas ruas de uma cidade construída com os ossos de um deus morto e é caçada pelo Senado e pelos ex-aliados de seu pai.
O seu talento para falar com as sombras a leva à porta de um assassino aposentado e a um futuro que ela não imaginava. Agora, ela é aprendiz do mais letal grupo de assassinos de toda a República: a Igreja Vermelha. Ela tem esperanças de fazer parte das Lâminas da Dama da Morte Abençoada e ficar um passo mais perto de conseguir a sua vingança.
Mas, para conseguir o que tanto deseja, ela precisará lidar com os segredos sangrentos de seu passado, com um sicário que está à solta nos salões da Igreja e com um sombrio plano de destruir toda a congregação.


Quando tudo é sangue, sangue é tudo. *

Nevernight é um livro que já estava na minha lista de leitura desde que apareceu em um intercâmbio literário por aqui. Com essa capa maravilinda e essa premissa um tanto diferente, foi amor à primeira vista.

Depois de ter visto sua família ser arruinada, Mia Corvere só tem um objetivo na vida: vingança. Para isso, ela está disposta a fazer tudo. Quando digo tudo, é tudo mesmo. Mia está disposta a manipular, enganar, seduzir e (por que não?) matar também. Mia é bastante determinada, corajosa, calculista, mas também impulsiva e cabeça-dura. Ou seja, vamos vê-la quebrando muito a cara, o que achei legal já que ela acha que sabe tudo sobre matar, mas também sabe que tem muito o que aprender na Igreja Vermelha.

Nunca trema. Nunca tema. E nunca, jamais, esqueça. *

Mia é tem um dom que, assim como eu e você, sabe poucas coisas sobre ele. Mia tem um companheiro um tanto diferente: o não-gato Senhor Simpático, que é feito de sombras. A personalidade do não-gato é parecida com a da Mia e isso gera conversas engraçadas e regadas no sarcasmo e ironia.

Sr. Simpático é como o Salem, só que beeeem mais etéreo
Os personagens secundários foram otimamente trabalhos e construídos. Na Igreja Vermelha, temos vários aprendizes - destaque para Tric e Ash - que, assim como Mia, querem servir à Nossa Senhora do Bendito Assassinato. Também temos seus shahiids (honrados mestres) e o misterioso Senhor das Lâminas, Cassius. A história tem uma quantidade relativamente grande de personagens, mas são personagens memoráveis. Kristoff soube trabalhar todos de forma otimizada e, ao mesmo tempo, de um jeito que não ofuscasse sua protagonista.

Niah. A Deusa da Noite. Nossa Senhora do Bendito Assassinato. Uma das esposas de Aa, e mãe da Treva faminta dentro de todos nós. *


Um ponto forte da história é o universo criado. Os primeiros capítulos podem ser cansativos e confusos por conta da ambientação a esse mundo, mas digo para não desistir. A maioria das explicações, narrações e/ou descrições desse mundo são feitas através de notas de rodapé, o que achei um recurso bem legal. Se quiser ler, leia; se não, segue o baile. Só sei que achei super demais essa de um lugar com ares romanos que tem três sóis e nunca anoitece (a não ser a cada dois anos e meio). Aí fica a pergunta: mas eles não dormem? como é a passagem dos dias? Todas essas respostas você encontra no livro.

É indiscutível como todo esse universo foi bem criado e super criativo e percebe-se que o autor pensou nos mínimos detalhes para fazer a história mais agradável possível. Algumas notas de rodapé são bem irônicas, o que combina bastante com o que ele quer explicar. Entretanto, com falei antes, a maioria é uma aula sobre a República de Itreya, que inclui história, geografia, política e religião. Alguns capítulos começam com flashbacks da vida de Mia. O interessante é que esses flashbacks têm ligações com os acontecimentos do capítulo.

Você jura servir à Mãe da Noite? Jura aprender a morte em todas as suas cores e a levar em nome dela a quem a merecer e a quem não a merecer? Jura tornar-se uma acólita de Niah e instrumento terreno da escuridão entre as estrelas? *

Outro ponto que gostei foi da escrita do Kristoff. A narração do livro é feita em terceira pessoa, o que eu geralmente prefiro em fantasias por dar uma maior amplitude nos cenários. A história de Mia é póstuma, contada por algum aleatório sobre como Mia se tornou uma grande assassina. Os capítulos são longos, mas a escrita dele é bem ágil e sem muitos rodeios que você nem percebe as páginas passarem. As descrições são detalhadas, mas não de um jeito cansativo. Elas são detalhadas o suficiente para você conseguir se imaginar no lugar e não cansar da leitura.

Apesar da personagem ter dezesseis anos, esse livro passa longe de ser uma fantasia YA. Esse detalhe me lembra muito com a série Corte de Espinhos e Rosas é vendida lá fora como fantasia YA que eu fico com uma cara de “que?”. Como falei, a narração é bem direta e, em certos momentos, bem crua. Logo no começo do livro, pegamos o impacto de como vai ser a história. Sério. O livro é bem gráfico, principalmente em suas mortes, desmembramento e pegações, por isso eu classifico como fantasia adulta.

Nem todos os mortos morrem de verdade. *

Falando em pegações, temos um pouco de romance (se é que a gente pode chamar assim), mas nada que ofusque a história. Completamente deixado de segundo plano, você até esquece rola entre Mia e um dos aprendizes. Mas quando o babado é lembrado, é lembrado bem caliente. Outro detalhe que faz com que o livro passe longe de ser um YA.

Quanto mais brilhante a luz, mais profunda a sombra. *

Eu tinha uma breve ideia de como se daria tudo no livro, mas como sempre fui feita de trouxa. Tem o trouxa legal e o trouxa ruim. O trouxa legal é quando o autor consegue te surpreender com um plot twist que estava praticamente na sua cara e você nem viu. E foi isso que acontece aqui em Nevernight. O que mais gostei foi que o autor foi construindo nas entrelinhas o boom que desencadeou os acontecimentos finais que eu só me restou dar uma de Pabllo Vittar e ficar gritando YUKÊ? a torto e a direito.

Eu mesma na reta final
Eu sabia que seria fisgada por Nevernight. Por isso fui com todas as expectativas possíveis e impossíveis e não me arrependi. Estou sedenta por Godsgrave e a continuação dessa jornada de Mia e sua vingança.

Você começa do nada. Não possui nada. Não sabe nada. É nada.*

*Sinopse e quotes retirados da edição da Plataforma21

12 comentários:

  1. Esse livro deve ser incrível, já anotei na minha listinha!
    Já estou seguindo o blog e curti sua página!
    Beijos!
    Pequeno Mundo das Resenhas - Siga Nosso Blog :*

    ResponderExcluir
  2. Oie,
    Não é muito meu estilo de leitura preferida, então vou deixar passar esse...
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  3. Livro MARAVILHOSO!!!!!!! Mia rainha. Já quero ler o segundo.

    ResponderExcluir
  4. Não conheço o livro, mas também não sei se ia gostar muito, não faz muito o meu género, mas excelente resenha =)

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
  5. Oi Lu!! Adorei conhecer essa história pela resenha, esse não-gato deve ser um ótimo personagem e adorei o gif rrsrsrs é sempre bom saber quando os livros melhoraram depois do início pra gente não desistir mesmo!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Oiii Lu

    Esse é um livro que tem despertado polêmicas não sei nem porquê, vi gente que nem gostou, e gente que amou. O certo é que ele não deixa ninguém indiferente. Jay Kristoff é genial mesmo, eu tenho pendente aqui na estante uma trilogia dele chamada As guerras de Loto, ambientada na Ásia e estou super curiosa pra conferir porque todos dizem que está show. Tb morro pra ler Illuminae, do mesmo autor. Aff, todos os livros dele acho que devem ser muito bons. Nevernight publica por aqui só ano que vem, já está na minha lista desde que soube....rsrrs

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, Lu. Primeiramente eu amei a capa, parece alguns mangás que li há anos, então já me conquistou <3 Eu queria ter essa facilidade que você tem para arranjar esses livros, é cada novidade que eu vejo por aqui. Eu adoraria ler o livro, mesmo que tenho a leve impressão que demoraria horrores para terminar porque você sabe que eu não curto fantasia, mas gostei muito do estilo dessa história.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Lu, tudo bom?
    ADORO um universo fantástico bem explicado. Quanto mais informação o autor colocar do mundo criado, melhor. Deixa a leitura tão mais rica KJASFUOBASGUOASGBO
    Esse livro é bem 8 ou 80; vejo muita gente elogiando pra caramba e outros dizendo que foi uma leitura horrível. Ai fico 'vou ou não vou?'. Tô com ele no carrinho pra Black Friday, se o destino quiser que eu leia, ele fica barato.
    Ótima resenha!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi, Lu

    Olha, eu tô tentando ser simpática com as fantasias, até escolhi uma fantasia para dar no Natal Literário, então eu li a resenha querendo me interessar... e não rolou muito.
    Primeiramente, a capa. Ao contrário de você eu não curti. Achei meio que um cosplay pobre do Vingador.
    Segundamente, dezesseis anos...OMFG... não tem fantasia onde os personagens têm, tipo, 20? hahahahahahaha
    Por mais que você diga que não parece fantasia YA não consigo levar muito a sério. Em ADSoM os personages são mais velhos, acho que por isso curti.
    Enfim, oremos pela minha alma! Hahahahaha

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  10. Olá Luiza,

    Bom saber que esse livro é tão bom quanto dizem, ele também já está na minha lista de desejados e estou super curioso, ainda mais depois da sua excelente resenha....bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Luiza!
    Essa sinopse já me conquistou!
    Tinha uma deia diferente do que poderia achar nesse livro,mas já vi que eu estava enganado.
    Pra uma fantasia achei super diferente,com um cenário bem sombrio e misterioso.
    Quero muito ler!
    Beijos!

    http://livreirocultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Lu!
    Eu tinha realmente tirado minhas fichas desse livro, mas você e a Pri falaram tanto que eu vou dá uma chance. Espero sinceramente gostar. Mas o clima sempre me atraiu. Esse lance da personagem ser bad girl ja me é motivo suficiente.

    Abraços
    David
    https://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e volte sempre!
Deixe seu comentário/opinião; estou muito interessada e ele será respondido assim que possível.
Deixe também seu blog, se tiver, que assim possível farei uma visita :)