Resenha #821: Love On The Brain - Ali Hazelwood (Berkley)

Título: Love On The Brain
Título Original: ---
Autor: Ali Hazelwood
Série: ---
Páginas: 352
Ano: 2022
Editora: Berkley
Sinopse: Uma comédia romântica STEMinista na qual uma cientista é forçada a trabalhar em um projeto com seu inimigo – com resultados explosivos.
Como um Jedi vingador de cabelos roxos trazendo equilíbrio ao universo mansplained, Bee Königswasser vive por um código simples: o que Marie Curie faria? Se a NASA oferecesse a ela a liderança em um projeto de neuroengenharia - um sonho literal tornado realidade depois de anos raspando nas migalhas da academia - Marie aceitaria sem hesitar. Duh. Mas a mãe da física moderna nunca teve que co-liderar com Levi Ward.
Claro, Levi é atraente de um jeito alto, escuro e com olhos penetrantes. E, com certeza, ele a pegou em seus braços fortemente amarrados como um herói de romance quando ela acidentalmente foi uma donzela em perigo em seu primeiro dia no laboratório. Mas Levi deixou seus sentimentos em relação a Bee muito claros na pós-graduação – arquiinimigos funcionam melhor em suas próprias galáxias, muito, muito distantes.
Agora, seu equipamento está faltando, a equipe está ignorando-a e Bee encontra sua carreira fracassada em um pouco de apuros. Talvez seja seu córtex occipital pregando peças nela, mas Bee poderia jurar que pode ver Levi se tornando um aliado, apoiando suas jogadas, apoiando suas ideias... devorando-a com aqueles olhos. E as possibilidades fazem todos os seus neurônios dispararem. Mas quando chega a hora de realmente fazer um movimento e colocar seu coração na linha, há apenas uma pergunta que importa: o que Bee Königswasser fará?

ARC cedida por PRH International em troca de uma opinião honesta


Depois do sucesso de A Hipótese do Amor, Ali Hazelwood está de volta com mais um romance estrelando cientistas com Love On The Brain.

Quando Bee recebe a notícia que foi a escolhida para trabalhar no novo projeto da NASA, sua alegria murcha ao descobri que irá co-liderar o projeto com Levi Ward, seu arquinemesis desde a época da faculdade. Mas quando situações estranhas acontecem e uma possível sabotagem do projeto está em jogo, Bee e Levi vão ter que deixar suas animosidades de lado e trabalhar juntos.

Primeiro de tudo, vamos deixar claro que tirando o detalhe que o casal é cientista e a história se passa em ambiente científico, qualquer outra coisa é completamente diferente dos trabalhos anteriores da autora. Eu vi algumas reviews comentando que ler esse livro foi como ler Olive e Adam novamente e, apesar de sim os personagens terem algumas similaridades, são duas histórias distintas.


Por ter perdido os pais quando criança, ter passado pela tutela de vários parentes e sua irmã gêmea ama viajar pelo mundo, Bee apenas deseja encontrar um lugar onde possa pertencer e isso ela encontrou tanto na sua área de trabalho quando no seu alterego virtual no twitter. Além disso, ela é divertida, inteligente, alto astral e bastante pro-ativa; quando ela deseja, vai atrás e está disposta a defender suas ideias no projeto.

De início, Levi é um pouco fechado e um tanto arisco, principalmente com Bee (o que vamos descobrir depois a fonte disso tudo), mas em nenhum momento ele a subestima como cientista. Com a convivência, Bee vai descobrindo um cara gentil, com um senso de humor bastante parecido com o seu, além de um ótimo gosto musical e um grande coração.

Sempre me identifico com as situações que a Ali coloca suas personagens no ambiente científico e aqui não foi diferente. Assim como Levi, Bee também é líder no projeto, mas encontra certa dificuldade justamente por ser mulher, o que a gente sabe que infelizmente é algo comum. O que eu achei legal é que ela soube aceitar a ajuda de Levi nessa situação; apesar de não ser o ideal, apoio é sempre bem vindo. Temos também Bee com sua conta no twitter onde ela extravasa sua revolta com o tratamento das mulheres no meio científico.

Acompanhar o relacionamento de Bee e Levi foi bem divertido. Por mais que Bee queira se fazer de doida em certos momentos, ela sabe que seu "arquiinimigo" é sempre honesto e sincero com ela. Já o cientista é do tipo que sua linguagem do amor é na forma de atitudes, mas sabe que com Bee palavras são bastante necessárias.

Em paralelo ao romance, temos a questão do projeto que Bee e Levi estão trabalhando e uma possível tentativa de sabotagem. Esse detalhe de ação/espionagem corporativa deu um toque a mais na história, ainda mais por ser a causa que Bee e Levi acabam se aproximando. Outra coisa bacana é que sabemos um pouco mais da vida da Marie Curie, já que Bee a tem como inspiração e durante a história temos paralelos de situações entre as duas cientistas.

1 Comentários

  1. Oi, Lu! Tudo bom?
    Depois do grande plot twist de ter FAVORITADO A Hipótese do Amor, agora eu quero ler tudo dela! Feliz que a Arqueiro vai lançar as novelas aqui, pois devorarei.

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e volte sempre!
Deixe seu comentário/opinião; estou muito interessada e ele será respondido assim que possível.
Deixe também seu blog, se tiver, que assim possível farei uma visita :)